Protocolo de Montreal | HCFC's

  • Ações para redução do HCFC-22 ganha forte apoio de supermercados do RS
  • Ações para redução do HCFC-22 ganha forte apoio de supermercados do RS

    O Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH) conduzido pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) com apoio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) recebeu forte apoio dos supermercados do Rio Grande do Sul, por meio das consistentes ações da Associação Gaúcha de Supermercados (AGAS). A redução do HCFC-22, os avanços e a parceria com redes gaúchas foi tema de seminário na Expoagas 2016, evento ocorrido em Porto Alegre-RS.

     

    Com o nome "Boas Práticas em Refrigeração: as Novas Tendências e Adequações", o seminário da Expoagas, realizado na tarde do dia 24/8, abordou dois importantes cases de empresas supermercadistas gaúchas, as redes Asun e Unisuper, que apresentaram os resultados do projeto-piloto de utilização do Sistema Pró-Ozônio, disponibilizado por meio do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH).

     

    Trata-se de um sistema (www.ozoniohcfc.com.br) que está sendo disponibilizado a todo o setor supermercadista, que tem aplicação gratuita e interativa para administração e documentação do consumo de HCFCs nas atividades de manutenção de equipamentos de refrigeração e instalações de ar condicionado.

     

    Como comentou Valdeci Pressi, gerente administrativo do Asun, em sua palestra, foi grande o aprendizado em ser uma das duas primeiras redes a testar essa nova ferramenta, que provou ser muito útil para apoiar e estimular a manutenção preventiva; reduzir perdas financeiras e ampliar a eficiência do pessoal envolvido (operação e manutenção), além de aumentar a consciência ambiental de todos os envolvidos com refrigeração na empresa.

     

    "Já estamos utilizando esse sistema em cinco das nossas lojas e vamos implementá-lo em todas as outras, porque os ganhos são mensuráveis", disse Pressi aos supermercadistas participantes do seminário.

     

    Entre as vantagens de utilização desse sistema, que é gratuito, estão:


    • Informações consolidadas;
    • Qualquer gestor tem acesso à informação;
    • Análise mais precisa em peças e acessórios utilizados; 
    • Redução de riscos de parada e perecimento de mercadorias. 
    • Utilização das informações para tomada de decisão;
    • Facilidade na utilização do software, que é gratuito.


    O representante da empresa Unisuper, o supervisor Paulo Roberto dos Santos, ressaltou em sua abordagem para os colegas supermercadistas que além da facilidade de utilização do sistema, sua segurança foi muito bem comprovada. "Nosso pessoal, com apoio da empresa que nos auxilia, a Herman, utilizou com facilidade o sistema, que tem uma grande qualidade, e segurança dos dados, que só podem ser acessados por meio de senha. Mesmo a Herman só acessa os dados que autorizamos", disse. "Estamos orgulhosos em fazer parte deste projeto-piloto que visa dar mais qualidade ao meio ambiente", destacou Santos. A Unisuper também já está utilizando o sistema com sucesso em cinco lojas.

     

    Parceria 


    Além das redes gaúchas, foram palestrantes do seminário os representantes do Ministério do Meio Ambiente, GIZ e ABRAS. O representante do Ministério do Meio Ambiente, o analista ambiental Frank Amorim, abordou em sua palestra os trabalhos do governo para atender ao Protocolo de Montreal que visa a proteção da camada de ozônio do planeta, ressaltando a importância dos supermercados estarem mobilizados para reduzir vazamentos do HCFC-22 na atmosfera.

     

    "O volume médio de vazamento anual de HCFC no Brasil corresponde a 102% em relação à carga de gás instalada", disse Amorim, ressaltando que "aproximadamente 40% do consumo total de HCFC-22 no Brasil ocorre nos equipamentos de refrigeração dos supermercados", daí a responsabilidade do setor melhorar a eficiência da manutenção nas lojas e evitar esses vazamentos.

     

    Já a consultora da GIZ, Stefanie von Heinemann, falou dos resultados da primeira fase do Programa PBH iniciado em 2013, que previa o treinamento de 4.800 técnicos em refrigeração, dos quais 4.673 já estão capacitados em várias cidades do País. "Aqui em Porto Alegre temos esses cursos sendo executados pelo Senai/Senac e ainda temos vagas, e para a segunda fase do PBH (2017/2018), mais cursos gratuitos serão disponibilizados ao setor supermercadista", adiantou.

     

    Marcos Manea, gerente da ABRAS, ressaltou em sua palestra, a forte parceria com o MMA e a GIZ, para reduzir o uso do HCFC-22. "Devemos olhar a área de manutenção dos equipamentos refrigerados com foco na prevenção de perdas, no aumento da eficiência e na segurança do meio ambiente", disse. Neste aspecto, Manea destacou a importância do investimento em pessoas, na qualidade e eficiência dos técnicos de manutenção, que com apoio de tecnologia, podem desenvolver uma rotina contínua de melhoria dos sistemas de refrigeração.

     

    Leia mais sobre a redução dos HCFC no Brasil em: www.mma.gov.br/ozonio, www.boaspraticasrefrigeracao.com.br e visite a fanpage: Camada de Ozônio, Clima e Refrigeração no Brasil.

     

    Fonte: Redação Portal ABRAS

Mais notícias