Protocolo de Montreal | HCFC's

  • Seminário com especialistas aborda substituição dos HCFCs nos supermercados
  • Seminário com especialistas aborda substituição dos HCFCs nos supermercados

    Para discutir as alternativas econômica e sustentavelmente viáveis para substituir o HFCF-22 – substância com potencial de destruição do ozônio e de aquecimento global – na área de refrigeração em supermercados, cerca de 100 supermercadistas e especialistas em refrigeração e ar-condicionado se reuniram para o Workshop O Futuro da Refrigeração. O evento foi organizado pela Associação Paulista de Supermercados (APAS) na quinta-feira, 28, em São Paulo. “O HCFC-22 é o principal fluido frigorífico para o setor supermercadista. Esse workshop é a nossa contribuição para melhor alinhamento do setor durante esse momento de mudanças”, pontuou o diretor de sustentabilidade da APAS, Alessandro Ibiapina.

     

    O Ministério do Meio Ambiente (MMA), como coordenador do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH), abordou as metas e as formas de implementação do Programa para o setor. “A partir de 2015, iniciamos a eliminação do HCFC-22 no Brasil, com foco incialmente no setor de serviços”, explicou a coordenadora de proteção da camada de ozônio pelo MMA, Magna Luduvice. Em 2015, o Brasil deveria eliminar 6,5% do consumo de HCFC-22 e o país ultrapassou essa meta.

     

    “Até 2021, temos o compromisso de eliminar 27,1% da linha de base desse fluido”,  afirmou Luduvice em sua palestra, na qual apresentou a todos os presentes o novo vídeo animado, realizado pelo ministério e pela Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH,  “Manutenção correta dos aparelhos de ar condicionado: benefícios sociais, ambientais e financeiros”, que trata das boas práticas em sistemas RAC.

     

    Um dos temas debatidos no evento foi o aumento de custos do HCFC-22.  “Quando tivemos o primeiro corte de importação de HCFC-22, o fluido chegou a valores nunca antes vistos. Desde então, o tema nunca saiu da pauta de sustentabilidade, tanto para a redução de custos quanto para o benefício ambiental”, disse o  diretor da Ecosuporte, Thiago Pietrobon.

     

    Os especialistas destacaram que além da substituição do HCFC-22, é importante focar na eficiência energética dos aparelhos. “É difícil pontuar uma solução padrão para o sistema de refrigeração em todas as redes de supermercado, é preciso verificar vários aspectos; porém, alguns pontos que devemos buscar são comuns: a redução da quantidade de gás refrigerante, a eficiência energética e soluções de manutenção interessantes”, afirmou o supermercadista Sami Dibas.

     

    Alternativas para o setor


    Atualmente, há tanto fluidos naturais quanto sintéticos disponíveis no mercado para a substituição do HCFC-22 no setor de refrigeração e ar condicionado. Porém, é preciso que os aparelhos e técnicos se adequem a essas novas tecnologias.

     

    “Até 2009, não havia nenhuma alternativa para o HCFC-22 no setor, foi a partir de 2010 que os especialistas passaram a buscar alternativas, sendo que apenas em 2015 obtivemos um pontapé inicial para os fluidos naturais”, explicou o especialista na área, Rogério Marson.

     

    Essas alternativas incluem o propano (R-290) e o CO2. “A limitação do propano é que ele é inflamável e tem uma restrição do fluido a ser aplicado em cada circuito de refrigeração”, pontuou o especialista. Segundo ele,  o CO2 pode ser operado em dois tipos de sistemas. No subcrítico, ele precisa de outro fluido para fazer a condensação, pois não pode ser utilizado isoladamente. Já no transcrítico, apesar de não depender de nenhum outro fluido, há a barreira do custo e do conhecimento técnico, que ainda é incipiente no Brasil.

     

    “No futuro, não vejo nenhum HCFC ou HFC como fluidos refrigerantes. Temos então que trabalhar com os fluidos naturais, ou seja, o CO2 e o propano. Em paralelo, a indústria química não deixa de buscar novas soluções, como os HFOs”, complementou Marson.

     

    Em 2016, os HFCs passaram a ser controlados pelo Protocolo de Montreal, com a Emenda de Kigali. Já os HFOs ainda não estão disponíveis no mercado a preços acessíveis para o setor. O Brasil terá que congelar o consumo de HFCs em 2024 e iniciar a redução até 2029. “Teremos tempo, mas é preciso estar com isso em mente para que o setor supermercadista se prepare para essas metas”, afirmou Luduvice.

     

    O PBH para o setor de refrigeração e ar condicionado


    No setor de serviços de refrigeração, a GIZ é responsável pela implementação dos projetos do Protocolo de Montreal no Brasil. O foco dessa área do PBH é voltado para capacitação e divulgação de informações. “No diagnóstico que fizemos, percebemos que tínhamos que controlar os vazamentos para a atmosfera desses gases para cumprirmos a meta de 2015”, explicou Luduvice. “Agora, o nosso foco é capacitar os setores para trabalhar com os fluidos alternativos, que em sua maioria são inflamáveis”, complementou.

     

    Para as capacitações, o PBH trabalha em parceria com a GIZ, SENAI, Institutos Federais de Educação, entre outras instituições profissionalizantes, em todas as cinco regiões do país. Na Etapa 1 do Programa foram treinados 5.537 mecânicos da área de refrigeração e 100 técnicos de ar-condicionado. A previsão é que ainda sejam treinados 8.238 técnicos em boas práticas de refrigeração e 1.000 em fluidos alternativos durante a Etapa 2 do PBH até 2021.

     

    No setor de manufatura, a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) é a agência responsável pela implementação dos projetos. “Atualmente, estamos no processo de identificar empresas brasileiras elegíveis para receber recursos do Fundo Multilateral nesse setor”, explicou a coordenadora do MMA.

Mais notícias